Federação Paulista de Antigomobilismo

Especial 30 anos sem Ayrton Senna

Ayrton Senna do Brasil

Três Décadas sem o ídolo máximo do automobilismo!

Nesta semana, a morte de Ayrton Senna completa 30 anos. O ídolo, que fazia milhões de brasileiros acordarem cedo aos domingos para acompanhar suas corridas, influência até hoje diversas gerações.

Senna iniciou sua trajetória na Fórmula 1 em 1984, integrando a equipe Toleman. Rapidamente, suas habilidades excepcionais capturaram a atenção do mundo automobilístico e no ano seguinte, ingressou na equipe Lotus, onde alcançou sua primeira vitória no Grande Prêmio de Portugal.

(Foto: Senna comemorando mais uma vítória pela Honda McLaren)

Em 1988, o piloto brasileiro uniu-se à equipe McLaren, conquistando seu primeiro título mundial na Fórmula 1. Tal feito foi repetido em 1990 e 1991, triunfando em corridas emblemáticas em circuitos como Mônaco, Suzuka e Interlagos.

Além de seu desempenho notável nas pistas, Senna era reconhecido por sua dedicação e busca incessante pela excelência. Sua rotina incluía rigorosos treinamentos para manter-se em forma física e mental.

O acidente.

Lamentavelmente, a trajetória de Senna foi interrompida em 1º de maio de 1994, após um acidente fatal durante o Grande Prêmio de San Marino, em Imola, na Itália. Sua partida prematura deixou o mundo da Fórmula 1 em choque, desencadeando uma série de reformas voltadas à segurança na categoria.

As análises posteriores apontaram para uma falha na barra de direção do carro de Senna como a causa provável do acidente. Essa falha resultou na perda súbita de controle do carro em alta velocidade, o que levou Senna a colidir violentamente com o muro a uma velocidade ainda impressionante. A força do impacto foi tal que a coluna de direção se partiu, lançando uma das peças em direção à cabeça do piloto como uma lança, causando ferimentos fatais.

Inesquecível.

A imagem que permanece viva na memória de muitos brasileiros é a de Ayrton Senna segurando uma bandeira do Brasil, um símbolo que se destacou no topo do pódio em meio a um período sociopolítico e economicamente conturbado para o país.

Esse gesto emblemático teve origem na vitória de Senna no Grande Prêmio de Detroit em 1986, nos Estados Unidos. Naquele momento, a seleção brasileira masculina de futebol acabara de ser eliminada pela França nas quartas de final da Copa do Mundo no México.

Ao avistar uma multidão de brasileiros nas arquibancadas empunhando a bandeira, o tricampeão solicitou uma para si. Este ato também foi uma resposta aos mecânicos de sua equipe, a Lotus (equipada com motor Renault), e ao projetista Gerard Ducarouge, que o provocaram pelo resultado na Copa.

Ayrton Senna, até hoje o último campeão mundial do Brasil na Fórmula 1, foi nomeado Patrono do Esporte Brasileiro em 26 de abril de 2023, conforme relatado pelo jornal Folha de S. Paulo. Essa honra foi formalizada pela Lei 14.559/2023, sancionada pelo vice-presidente e presidente em exercício na época, Geraldo Alckmin.

O legado.

Após sua trágica morte no GP de San Marino em 1994, a família de Senna criou o Instituto Ayrton Senna, liderado por sua irmã, Viviane. O objetivo era transformar o luto em uma causa para o desenvolvimento humano, focando em educação para crianças e jovens brasileiros. Desde então, o Instituto tem impactado milhões de estudantes em todo o país, utilizando métodos inovadores e programas de desenvolvimento que refletem o compromisso de Senna com a melhoria do Brasil.

A influência de Senna vai além das estatísticas e das instituições. Ele se tornou uma figura cultural, simbolizando o ideal de que a paixão e a dedicação podem levar ao sucesso supremo, independentemente dos obstáculos. Seu profissionalismo, carisma e humanidade continuam a inspirar não apenas pilotos, mas pessoas de todas as profissões e nacionalidades.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Threads